Gato de Botas

Era uma vez um moleiro muito, muito pobre que vivia em seu moinho com seus três filhos. Os dois filhos mais velhos eram preguiçosos, ao contrário do mais novo que era um garoto muito trabalhador e empenhado em ajudar o pai em tudo que precisava.
Um dia o pai dos garotos sentiu-se mal e prevendo que o pior estava por vir, chamou os três filhos para fazer a partilha dos seus poucos bens para não haver brigas ou injustiças, mas devido à pobreza, o moleiro para deixar para seus filhos tinha apenas o moinho, um burro e um gato.

Para o filho mais velho, o moleiro deu o moinho, para o filho do meio, o burro e para o filho mais novo e trabalhador, o gato. O filho mais novo ficou decepcionado com o pai sobre aquela decisão, mas como era um garoto bom e trabalhador, preferiu não discutir com o pai a decisão e aceitou pacificamente.

O filho caçula se distanciou dos irmãos que comemoravam suas riquezas herdadas e foi caminhar no campo, o gato foi atrás e percebeu que o garoto estava completamente decepcionado com sua herança, foi quando, para sua surpresa, o gato lhe disse.

– Amo, se o senhor comprar um par de botas e um saco, provo para o senhor que sou mais útil que um moinho e um asno.

O rapaz, que não tinha muito dinheiro, junto tudo que podia e decidiu acreditar nas palavras daquele gato, comprou-lhe um par de botas e um saco conforme pedido. Assim que o gato calçou o presente, saiu correndo pelos campos até encontrar um sítio.

O gato pegou um punhado de farelo, jogou dentro do saco e deitou-se próximo fingindo estar morto. E ali permaneceu por alguns minutos, até notar que um desavisado coelho entrara no saco, o gato sem perder tempo pulou e prendeu o coelho no saco e colocou-se em direção a um esplendido castelo que ficava nas proximidades.

– Eu gostaria de falar com o rei.

– Disse o gato de botas para os guardas.

– Tenho um presente enviado em nome do Marquês de Carabás que ele não poderá recusar.

Os guardas escoltaram o gato até a presença do rei e depois de uma referência, disse:

– Majestade, trago neste saco um presente do Marquês de Carabás. Um belo e vistoso coelho que, com cebolas e com os temperos certo poderá ser um ótimo prato para você majestade.

– Mas que presente mais oportuno. – Respondeu o Rei com um sorriso nos lábios. – Aprecio guizado de coelho, mas meus cozinheiros não conseguem pegar um sequer. Agradeça ao Marquês de Carabás em meu nome gato.

O gato fez uma pequena referência ao rei e deixou o palácio satisfeito com o sucesso de seu plano. Mas o gato não planejava parar por aí e no dia seguinte, lá estava ele com outro presente enviado em nome do Marquês de Carabás. O rei, mesmo sem conhecer o ilustre Marquês já começava a simpatizar pelo ilustre senhor.

Certo dia o gato convidou seu amo para tomar banho no rio, o garoto atendeu o pedido por confiar no estranho amigo, mas o gato tinha planos em sua mente felina, naquela estrada, ele sabia que alguém muito ilustre estava para passar.

O garoto tirou suas roupas e entrou na água, sem que o garoto percebesse, o gato escondeu a roupa e logo em seguida lhe disse que, a partir daquele momento ele tinha que atender pelo título de Marquês de Carabás. O garoto assentiu e virou de costas, sorrateiramente, o gato correu para a estrada e logo adiante a carruagem real vinha por ela.

– Socorro! – Gritava o gato desesperado. – Socorro.

A carruagem parou e o rei reconheceu o gato que pedia socorro.

– O que acontece gato? – Perguntou o rei, ajoelhado na frente do gato.

– Majestade, acabaram de roubar as roupas do Marquês de Carabás. Me distrai por alguns segundos enquanto meu mestre tomava banho e não percebi a aproximação dos malfeitores.

O rei prontamente, devido as gentilezas do Marquês de Carabás entregou ao gato roupas dignas de um lorde. O gato retornou para o rio e pediu para que o garoto vestisse aquelas roupas, assim que terminou levou seu mestre para finalmente conhecer o rei.

Ao chegar a carruagem a princesa ficou tão impressionada com a beleza do fidalgo que se apaixonou por ele no mesmo segundo. O rei também se afeiçoou a ele no primeiro instante que o viu.

– Você parece comigo quando jovem, meu querido Marquês de Carabás.

O garoto sem entender o que estava acontecendo, não disse nada, fez conforme o gato lhe instruíra. O rei percebendo que o jovem era ligeiramente tímido, o convidou para uma refeição em seu castelo.

– Majestade? – Começou o gato. – Seria uma honra para o Marquês de Carabás que essa refeição fosse servida em seu castelo. Nos daria a ilustre honra de vossa presença e da princesa no castelo do Marquês?

O garoto olhou para o gato em pânico. Ele não tinha nem o próprio moinho do pai, imagine um reino para si. Mas, o gato fez sinal para que se acalmasse e logo a carruagem real estava seguindo ao seu destino. O gato pediu licença para ir a frente organizando as coisas e deixou o jovem amo, rei e princesa a sós.

Ao chegar em um grande campo, se aproximou dos trabalhadores que ali cuidavam da terra e lhes disse:

– O rei está se aproximando e se não disserem que estas terras pertencem ao Marquês de Carabás, ele cortará suas cabeças e deixará para os corvos.

Não demorou muito tempo para a carruagem real parar. O rei olhou ao redor e ficou deslumbrado com a beleza do lugar. Um dos trabalhadores se aproximou após uma reverência.

– De quem são essas terras, humilde trabalhador?

– Essas terras são do Marquês de Carabás, majestade.

– Que belas terras o senhor tem, Marquês. – Disse o rei para o garoto que estava quieto ao seu lado. – Você me lembra como eu era quando tinha a sua idade.

Eles continuaram seguindo o caminho, o gato seguia à frente, guiando o caminho. De repente o gato se desembestou a frente e chegou em um campo de repleto de trigo, se aproximou dos trabalhadores e disse:

– Se não disserem que essas terras são do Marquês de Carabás, faço picadinho de vocês!

Os trabalhadores assentiram e ao perceberem a carruagem real chegar, pararam de trabalhar.

– E de quem são essas belas terras? – Indagou o rei impressionado com a quantidade de trigo dos campos.

– Essas terras, vossa majestade, é do nobre e ilustre Marquês de Carabás.

– Vejo que tem lindas propriedades, Marquês. – Elogiou o rei. – Você realmente lembra a mim em meus tempos mais moço.

O garoto sentiu o rosto ruborizar, apesar de parecer que tudo corria bem, não imaginava como o gato poderia ajuda-lo ou arrumar um castelo para chamar de seu. Mas o gato era muito inteligente e conhecia tudo naquela vasta terra.

Foi então que correu em direção de um maravilhoso palácio onde habitava um terrível ogro que era dono de tudo que havia mostrado ao rei. O gato se aproximou do castelo e foi recebido pelo seu rei.

– Ilustríssimo Ogro, – começou o gato. – Tenho ouvido histórias ao seu respeito que não sei se são verdades ou não… É verdade que pode se transformar em qualquer coisa que desejar?

O ogro riu do gato e subitamente se transformou em um imenso e feroz leão.

– Em algo grande como um leão qualquer um pode se transformar, ainda mais um ser de seu tamanho. Eu ficaria impressionado de verdade se por ventura assumisse a forma de algo menor como um rato.

O Ogro orgulhoso de seus poderes, nem imaginou o que estava por vir. Para provar que o gato estava errado, se transformou em um pequeno rato. O gato, sem perder tempo, lhe enfiou as unhas e logo em seguida o devorou. Minutos depois, a carruagem do rei parava diante do castelo.

– Sejam bem-vindos ao palácio do ilustre Marquês de Carabás. – Disse o gato cordialmente.

– Mas que belo palácio tens aqui, meu querido Marquês… – Disse o rei enquanto saia com os olhos voltados para o palácio, estava tão impressionado com tamanha beleza que esquecera de ajudar a princesa a descer. – Querido Marquês, por gentileza, ajude a princesa a descer.

O garoto deslumbrado e sem entender de onde surgira aquele palácio, atendeu à solicitação do rei e ajudou a princesa a descer da carruagem. Logo todos estavam sentados à mesa almoçando um delicioso almoço organizado pelo gato e pelos novos trabalhos do jovem Marquês. Assim que o almoço terminou, o rei virou-se para o Marquês e disse:

– Vejo que é tão tímido quanto eu em minha adolescência. – O rei olhou para o jovem e depois para a princesa. – Mas sinto que sente algo pela princesa e que ela sente algo pelo senhor. Sinceramente, seria uma honra se pedisse sua mão em casamento, ficaria muito feliz e seguro por entregar a mão de minha filha a um homem com tantas posses.

Naquele mesmo dia o casamento entre a princesa e o garoto se realizou com uma grande pompa, todos do reino estavam presentes para festejar aquela união que tinha tudo para chegar aos felizes para sempre. O gato tinha certeza que aquele amor duraria até o fim de todos os dias, era tão certo quanto seus planos e a sua nova bota preta cravejada de diamantes.

Leia também

Foto do Rapunzel – Histórias Infantis, Contos e Fábulas para Crianças

Rapunzel – Histórias Infantis, Contos e Fábulas para Crianças

História infantil Rapunzel o príncipe caminhou na direção de Rapunzel. Assim que chegou perto, ela logo o reconheceu e se atirou em seus braços, a chorar.

Rapunzel

Foto do A verdadeira história de Pinóquio - Histórias e Contos de Fada

A verdadeira história de Pinóquio - Histórias e Contos de Fada

Conheça a história completa de Pinóquio, uma história completa para você contar ao seu filho

Pinóquio - História completa

Foto do Branca de Neve - História completa - Contos de fada para dormir

Branca de Neve - História completa - Contos de fada para dormir

História infantil Branca de Neve uma menina de cabelos bem pretos, pele branca e face rosada. O nome dado à princesinha foi Branca de Neve.

Branca de Neve

Foto do Pinóquio - história infantil com várias ilustrações

Pinóquio - história infantil com várias ilustrações

Pinóquio é um clássico da literatura infantil, trazendo desde um sonho de um velho artesão até uma aventura incrível de um garoto de madeira

Pinóquio

Foto do O vestido azul - conto transformador

O vestido azul - conto transformador

Veja o que uma ação despretensiosa, mas feita com todo o carinho pode causar na vida de toda uma comunidade

O vestido azul

Foto do O mágico de Oz

O mágico de Oz

O mágico de Oz

O mágico de Oz

Foto do Histórias de Camonge o sábio que sempre se safava do rei

Histórias de Camonge o sábio que sempre se safava do rei

Camonge é o ator de várias histórias populares, que são contadas por gerações, na qual ele sempre procurava um jeito e conseguia evitar que o rei lhe pregasse uma peça ou um castigo

Histórias de Camonge

Foto do Chapeuzinho Vermelho - Histórias para seu filho dormir

Chapeuzinho Vermelho - Histórias para seu filho dormir

Chapeuzinho Vermelho com um retalho de tecido vermelho, sua mãe costurou para ela que com o tempo, os moradores da vila que a conheciam passaram a chamá-la de “Chapeuzinho Vermelho”.

Chapeuzinho Vermelho

Foto do O Príncipe-rã ou Henrique de Ferro - Historinha para Dormir

O Príncipe-rã ou Henrique de Ferro - Historinha para Dormir

A linda história da rã que virou príncipe

O Príncipe-rã ou Henrique de Ferro

Foto do A Bela Adormecida - Hora de botar a criançada para dormir

A Bela Adormecida - Hora de botar a criançada para dormir

História infantil a bela adormecida, uma linda princesa que foi enfeitiçada por uma fada má, até que um dia um príncipe a desperta de seu sono de cem anos com um beijo.

A Bela Adormecida

Foto do Rumpelstichen

Rumpelstichen

Rumpelstichen

Rumpelstichen

Foto do Cinderela – Histórias Infantis, Contos e Fábulas para Crianças

Cinderela – Histórias Infantis, Contos e Fábulas para Crianças

Cinderela tirou do pé do pesado tamanco e calçou o sapato de cristal, que lhe serviu como uma luva e pode casar-se com o príncipe.

Cinderela

Foto do Alice no Pais das Maravilhas

Alice no Pais das Maravilhas

Alice no Pais das Maravilhas

Alice no Pais das Maravilhas

Foto do João e Maria - História para seu filho dormir - História Completa

João e Maria - História para seu filho dormir - História Completa

História infantil João e Maria, um lenhador com sua segunda esposa e seus dois filhinhos, nascidos do primeiro casamento. O garoto chamava-se João e a menina, Maria.

João e Maria

Foto do O Soldadinho de Chumbo - Histórias Infantis e Fábulas

O Soldadinho de Chumbo - Histórias Infantis e Fábulas

História infantil o Soldadinho de Chumbo numa loja de brinquedos havia uma caixa de papelão com vinte e cinco soldadinhos de chumbo, todos iguaizinhos, porém um era diferente lhe faltava uma perna.

O Soldadinho de Chumbo

Este site usa cookies para fornecer serviços e analisar o tráfego. Saiba mais. Ok, entendi